Arnaldo Hossepian representa Brasil em evento organizado pelo Vaticano

5 de junho de 2019

Hossepian, assim como os demais participantes, subscreveu a Declaração de Roma, que demostra a preocupação dos representantes da Justiça com a deterioração dos sistemas regulatórios nacionais e internacionais

O procurador de Justiça Arnaldo Hossepian, membro do Conselho Superior de Justiça (CNJ), nesta semana (3 e 4/6)  representou o Brasil no evento  1ª Cúpula Panamericana de Juízas e Juízes sobre Direitos Humanos e Doutrina Franciscana, organizada pelo Vaticano, que contou com a presença de 50 países das “três Américas”.

O evento, que contou com a coordenação do Papa Francisco, teve como objetivo principal discutir a busca da consolidação dos Direitos Sociais nas Américas. Hossepian, assim como os demais participantes, subscreveu a Declaração de Roma, que demostra a preocupação dos representantes da Justiça com a deterioração dos sistemas regulatórios nacionais e internacionais e, em particular, com a degradação no exercício universal dos direitos econômicos, sociais e culturais e observamos um processo global da polarização social que implica injustiça estrutural e violência.

Ao encerrar o evento, Papa Francisco destacou o papel dos magistrados na construção de uma ordem mais justa. ”Vocês têm um papel essencial. Deixem-me dizer que são também poetas; são poetas sociais quando não têm medo de serem protagonistas na transformação do sistema judicial baseado na coragem, na justiça e na primazia da dignidade da pessoa humana. Felizes são aqueles que têm fome e sede de justiça; felizes são aqueles que trabalham pela paz’”, finalizou.

 

*Com informações MPSP e Agências de Notícias