icon clock Leitura 1 min

CANDIDATURAS INDEPENDENTES SÃO VÁLVULAS DEMOCRÁTICAS – Roberto Livianu

Junto-me àqueles que entendem que a candidatura independente aperfeiçoa a democracia e a cidadania eleitoral. Hoje 9 em cada 10 países democráticos permitem. A PGR, do alto de sua condição de defensora da ordem jurídica e do regime democrático, manifestou-se favoravelmente, visando a ampliar a soberania popular

Destaco a importância capital da quebra do monopólio partidário da concessão de legendas, instituído a partir de 1945, ou seja, em pleno período autoritário, com a Lei Agamenon, já que nos quatro séculos anteriores de nossa história, desde a Colônia, permitiu-se a candidatura independente. Até porque, como lembra o professor Robert Klitgaard, da Universidade da Califórnia, monopólios e discricionariedade administrativa excessiva, ao lado da opacidade, compõem o ambiente ideal para a corrupção.

Destaco o ganho social decorrente do aumento da competitividade pelo voto, para tirar partidos da zona de conforto, em que não existe democracia interna, compliance e accountability. A candidatura independente não se coloca contra a existência dos partidos, mas serve sim, como instrumento de seu revigoramento. E não se argumente que ela poderá favorecer ricos e famosos, pois estes podem e se candidatam pelo sistema atual.

Leia a íntegra da coluna semanal publicada hoje no Poder360
https://www.poder360.com.br/opiniao/partidos-politicos/candidaturas-independentes-sao-valvulas-democraticas-propoe-roberto-livianu/

Outros Artigos

Linguagem jurídica e cidadania

José Benjamim de Lima

O Promotor de Justiça (poesia)

José Benjamim de Lima

O autismo e as leis

Dimas Ramalho, Karina Maia e Mariana Mársico

O juiz de fora

Antonio Carlos Augusto Gama